AVISOS da SEMANA

AVISOS:

Todas as segundas-feiras – 19:00h – Intercessão.

18/08 - sex - 20h – RCA - Rede de Casais – Iluminando a casa

19 e 20/08 - sáb - 16h30 - Congresso Interno M12 (entrada franca)

20/08 - dom - 18h - Ministração Pr. Douglas Soares - M12 Ceará

24/08 - qui - 20h - Teatro - Conquistador que vê o que Deus vê.

15 e 16/09 – Congresso Estadual da Visão M12 (ingresso R$40,00)

22 a 24/09 – sex – 21h30 – Encontro com Deus (inscrições Dca. Eliane)


Postagens

Células nas casas - confira a mais próxima de você.

. 2ª feira......... 19h Culto de Intercessão
20h15.. Escolas Líderes e Teológica
. 5ª feira ........ 20h.... Culto

. 6ª feira ....... 20h ... Rd da Família (confira agenda)
. 6ª feira ....... 20h ... Rd adolescentes(confira agenda)
. Sábados...... 19h30.. Rd de Jovens (confira agenda)
. Domingos... 16h45... Pós Encontro e Esc. de Líderes
. Domingos... 10h e 18h..... Culto de Celebração

domingo, 26 de outubro de 2014

Como estimular comportamento empreendedor em seus filhos


Rose Mary Lopes

Rose Mary Lopes 

Leia todos os artigosColunista do UOL

Estimular o comportamento empreendedor relaciona-se com o desenvolvimento do potencial do indivíduo. Atualmente isso tem sido preocupação de muitos: professores, educadores, coordenadores, gestores de escolas e faculdades, pais, especialistas e políticos -- do legislativo e do executivo.

Sabe-se que o pleno desabrochar das competências empreendedoras abre possibilidades diversas de escolhas de carreira e não apenas a de abrir e gerir o próprio negócio.

Esse comportamento marcará a ação da pessoa em quaisquer situações e organizações em que se insira, seja dentro das organizações (como intraempreendedor), como empreendedor social ou político, nas atividades filantrópicas, comunitárias e religiosas, ou mesmo na condução da própria vida.

Para Fábio Fowler, diretor do Centro de Empreendedorismo da Unifei, ser empreendedor é criar e gerenciar projetos. Ora, o indivíduo empreendedor terá esta postura de encarar quase tudo como projetos a serem realizados. E o resultado positivo lhe trará a realização pessoal. 

Acontece que o desenvolvimento do comportamento empreendedor é favorecido, desde cedo, pelos pais e responsáveis pelas crianças. É o fruto de formas de educar e socializar desde a infância.

David MacClelland, psicólogo e pesquisador das Universidades Harvard e de Boston (já falecido), e outros pesquisadores mostraram, nos anos 60 e 70, que certos pais estimulam suas crianças a desenvolver suas habilidades e independência.

Desde as brincadeiras infantis eles reforçam positivamente, elogiam e fazem com que as crianças testem brincadeiras e novas formas de utilizar seus brinquedos. Estimulam-nas a lidar com as situações e pessoas. Encorajam-nas a dar novos passos e alcançar o nível seguinte da habilidade.

Ante o insucesso e o choro, ouvem, aceitam e amparam, e depois reforçam a crença de que seus filhos têm capacidade de continuar (logicamente com cuidado para não transgredir as possibilidades reais da criança). Estimulados a voltar e a tentar novamente, treinam a persistência e a tolerância às dificuldades.

Isso ajuda os filhos a estabelecer objetivos e a conquistar. Os feitos são elogiados e celebrados, o que incentiva a iniciativa e a responsabilidade. Ajuda a aprender e avaliar os resultados.

Deste modo, todo o tempo, os pais propiciam o fortalecimento da autonomia e da segurança, dentro dos limites que sejam apropriados para suas idades e capacidades.

Protegem se for necessário, mas não os superprotegem ou assumem atividades e responsabilidades que seriam deles. Fazem-nos compartilhar tarefas em casa. Aliás, este tipo de socialização é mais frequente em sociedades influenciadas pela ética protestante de trabalho.

Testemunhei nos EUA como as crianças são treinadas a se vestirem sozinhas (principalmente o casaco de inverno, pois representa sobreviverem no frio). Elas sabem desde cedo seus nomes e o dos pais, endereço onde moram, onde trabalham os pais, telefones de contato.

Aprendem a se virar e buscar alimento quando têm fome. Numa atitude bem oposta ao que observei relativamente a amigos e conhecidos que servem até os filhos adolescentes.

Já testemunhei pais esquentarem refeições já prontas no micro-ondas para o filho adolescente. Esta infantilização prolongada é contrária ao desenvolvimento do comportamento empreendedor.

Assim, mesmo que escolas e faculdades queiram estimular nele a iniciativa, a independência, o estabelecimento de metas, o enfrentamento de desafios, ele terá dificuldade. Pode se chocar, se sentir inseguro, pois estas capacidades não lhe foram demandadas antes.

Terá dificuldade para desenvolver o senso de autoeficária: acreditar que dará conta do recado. E, mesmo que se esforce e se dedique, certamente terá perdido tempo e oportunidades.

Então fica aqui o recado para pais e responsáveis: a superproteção é antídoto do comportamento empreendedor. Para desenvolver o comportamento empreendedor há que incentivar a iniciativa, autonomia, e responsabilidade desde cedo e reforçar os bons resultados alcançados. 

ROSE MARY LOPES 

Professora e coordenadora do núcleo de empreendedorismo da ESPM.

Nenhum comentário: